Política de A–Z: tudo sobre a posse de Bolsonaro; novo governador assume cargo; ex-cinegrafista preso por abuso

Política de A–Z: tudo sobre a posse de Bolsonaro; novo governador assume cargo; ex-cinegrafista preso por abuso

04/01/2019 0 Por Redação

Um novo capítulo da história: Bolsonaro toma posse como o 38º presidente da República, e é aclamado por milhares de cidadãos.

115 mil

A posse de Jair Messias Bolsonaro em 1º de janeiro mobilizou cerca de 115 mil pessoas, estimativas do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) e do Centro Integrado de Operações de Brasília (CIOB).

Economia em movimento

A roda da economia girou na posse de Bolsonaro. Na rodoviária do Plano Piloto, o ‘Pastel Bolsonaro’ foi a sensação. Era grande a fila para degustar um. No início da tarde, o triste anúncio para as dezenas de pessoas que ainda aguardavam na fila: ‘Acabou’.

Mercado

Camisas, bonés, bandeiras, faixas, pulseiras, relógios (pasmem!)… tudo que se podia haver com a marca Bolsonaro havia à venda. Eu fiquei com a bandeira.

Discurso no Congresso

O primeiro discurso de Bolsonaro como presidente da República durou cerca de dez minutos. A uma plateia formada por parlamentares e convidados, Bolsonaro defendeu um “pacto nacional” entre a sociedade e os poderes da República para que o Brasil conquiste “novos caminhos” na superação de desafios.

Transmissão da faixa

Bolsonaro chegou ao Palácio do Planalto acompanhado de Michelle e do novo vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão (PRTB). Eles foram recebidos por Temer e pela ex-primeira-dama Marcela na rampa do palácio.

Discurso da primeira-dama em Libras

Antes de Bolsonaro fazer o tradicional discurso no parlatório, a nova primeira-dama, Michelle Bolsonaro, fez um discurso inesperado em Libras. Michelle é engajada em causas de pessoas com deficiência.

Discurso no parlatório

Já com a faixa de presidente da República, Bolsonaro fez o primeiro pronunciamento à nação, no qual prometeu “tirar peso do governo sobre quem trabalha e produz” e “restabelecer a ordem neste país”.

Novo governador empossado

O novo governador do Pará, Helder Barbalho, e seu vice, Lúcio Vale, também tomaram posse, em cerimônia realizada no plenário da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), em Belém. Ao fim da cerimônia, Helder recebeu a faixa governamental das mãos da esposa, em solenidade em frente ao Museu Histórico do Pará, Palácio Lauro Sodré.

Jatene não foi

Como havia anunciado, o ex-governador Simão Jatene não compareceu para passar a faixa. Essa atitude denota a pouca afeita de Jatene à democracia e ao sentido republicano da política. Em 2010, Ana Júlia passou a faixa a Jatene, mesmo eles sendo de polos opostos. E transmitiu o cargo com sorriso no rosto.

Inédito

Após ser empossado na Alepa e em evento público no Palácio Lauro Sodré, Helder recebeu, à tarde, a faixa em Marabá e, à noite, em Santarém. Feito inédito.

Mudança de status

Para o novo governador, o Pará precisa mudar o seu status para um estado de produção industrial, geração de emprego e renda para a sua população. “Não é mais possível sermos o estado que é a maior província mineral do Brasil, e ver as nossas riquezas partindo sem que isso represente distribuição de renda, acesso a serviços e justiça social”, disse.

Presente

“O meu desejo é fazer um governo presente, um governo que olhe cada município, um governo que compreenda as diferenças de cada região e é por isso que fizemos um questão de estar hoje em várias cidades. Hoje o povo do Pará tomou posse do seu estado!”, afirmou.

Rodrigo Maia

O Partido Social Liberal (PSL), partido do presidente, optou por apoiar o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) à reeleição na Câmara dos Deputados. Maia, que tem o costume de se aproveitar da distração do povo para favorecer a libertinagem, nem remotamente é o caminho para o sucesso de seu governo.

Tiro no pé

Bolsonaro dá um ‘tiro’ no pé ao se associar a Maia. Ao invés de apoiar um candidato do partido, ou mesmo um aliado, prefere iniciar seu mandato com o pé esquerdo (literalmente).

Vaidade

Bolsonaro não quer apoiar ninguém do partido, todos novos no jogo, sob a premissa de ‘inexperiência’ política. Acaso Bolsonaro tinha experiência para ser eleito presidente da República?

Moeda de troca

O presidente da sigla, Luciano Bivar, disse que em troca do apoio à reeleição, Rodrigo Maia se comprometeu em garantir ao partido do presidente o comando das duas principais comissões da Casa (a de Constituição e Justiça e a Comissão de Finanças e Tributação), além da segunda vice-presidência da Câmara.

Em cana

O ex-cinegrafista de TV Daniel Lima Cavalcante, muito conhecido na imprensa local, foi preso e responderá pelo crime de estupro de vulnerável. Daniel é acusado de abusar de uma criança de apenas 11 anos de idade.

Ameaça

Além de violar a menina, Daniel Cavalcante teria dito que mataria a mãe dela caso revelasse os abusos a alguém. O caso chocou parentes e amigos dele e, também, da vítima, devido à proximidade entre as famílias.

Estudante e estagiário no Ministério Público do Estado do Pará (MPPA). E-mail: vinnicius@carajas.info.