Política de A–Z: ameaça terrorista na posse de Bolsonaro; briga por poder provoca racha na direita de Marabá; Temer recua

Política de A–Z: ameaça terrorista na posse de Bolsonaro; briga por poder provoca racha na direita de Marabá; Temer recua

28/12/2018 0 Por Redação

A Polícia Federal investigará em um inquérito uma suposta ameaça de atentado na posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, marcada para o dia 1º. Segundo uma fonte da PF, a atuação do órgão na posse presidencial não será alterada.

Bomba em igreja

A autoria é de um grupo que se define como terrorista e reivindicou ter colocado uma bomba em uma igreja em Brazlândia, região administrativa do Distrito Federal, na madrugada de Natal, no dia 25 — o artefato explosivo foi desarmado pela Polícia Militar.

“Maldição Ancestral”

A Polícia Civil começou a investigar o caso e chegou a um grupo autointitulado “Maldição Ancestral”, que disse ter colocado a bomba ao lado da Igreja Santuário Menino Jesus, no centro de Brazlândia. As informações foram remetidas à PF, que tem atribuição de investigar suspeitas de ameaças a presidentes da República.

Racha

Fonte confiável da coluna informa que a direita de Marabá, assim como em São Paulo, está dividida. Ocorre que o candidato apoiado pelo grupo em 2018 não contará com a bênção deste em 2020, por ter sido considerado um candidato ‘fraco’ pela direita. E o bate-boca por poder ocorre sempre via WhatsApp.

Troca de farpas

O ex-candidato à Alepa Pacheco (PSC), como é conhecido, apoiado pelos grupos Direita e Endireita Marabá nas eleições 2018, foi acusado pelo coordenador Max Souza e pelo assessor parlamentar do vereador pastor Ronisteu Araújo (PTB), Anderson Damasceno — também dirigente do grupo —, de não ter atuado, durante o pleito, contra aborto, drogas e ideologia de gênero com veemência, dando a entender que era a favor de tais pautas.

Outro lado

Na vanguarda, Pacheco desmente Max e Anderson em um longo discurso fragmentado, onde expõe o porquê da rixa no grupo. “O grupo Direita Marabá não irá me apoiar simplesmente porque um integrante também quer ser candidato”, disse.

Frustração

“Aqui mesmo no grupo tem pessoas que pregam ser santas, louvam o nome do Bolsonaro, mas eu e Deus sabemos as peças de destruição que são”, afirmou. “A frustração foi tão grande com o processo político, que hoje eu penso mais na minha família, quero ser melhor pai, esposo, filho e amigo de quem é meu amigo”, completou.

Traição

“O que eu enfrentei não desejo para ninguém… a resistência para a maldição é grande. E quem eu pensava que estava ao meu lado, na verdade não estava. Simplesmente ganhando dinheiro de outro candidato e fingindo ser meu amigo”, disparou.

Nota

Após a publicação da coluna, o assessor Anderson Damasceno publicou um texto nas redes do grupo Direita Marabá em que chama o conteúdo a que tive acesso de ‘inverdades’. É falso. Em uma nota confusa, Anderson induz o leitor a erro e mente.

Caso Queiroz

O general Hamilton Mourão, eleito vice-presidente da República, disse que Fabrício de Queiroz o convenceu com as explicações dadas em entrevista ao SBT sobre as movimentações financeiras atípicas detectadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Previdência

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, afirmou que o governo errou ao não tentar votar a reforma da Previdência mesmo correndo o risco de perder. O ministro deu a declaração durante um café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.

Reapareceu

Três anos e dois meses após naufragar com 5 mil bois vivos no porto de Vila do Conde, em Barcarena, o navio Haidar, responsável por um dos maiores acidentes ambientais na região banhada pelo rio Pará, ‘ressuscitou’ das águas.

Entenda

O navio Haidar afundou com mais 5 mil bois vivos e 700 toneladas de óleo no dia 6 de outubro de 2015. O desastre ambiental é considerado um dos maiores registrados no Pará. O naufrágio deixou rastros de destruição pelos rios de Barcarena, Abaetetuba e ilhas vizinhas.

Vigarista

A Polícia Civil prendeu, em Minas Gerais, um homem suspeito de ser um falso médium em Belo Horizonte. Djalma Alves da Silva, de 55 anos, ainda tentou subornar policiais com R$ 20 mil para ser liberado, e foi preso em flagrante por corrupção ativa pela tentativa de suborno.

Mortes no trânsito

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o quarto país com mais mortes no trânsito na América.

Atenção!

No fim do ano, quando muita gente viaja pelas estradas, é fundamental tomar todos os cuidados para evitar acidentes: checar o nível de água e óleo; o funcionamento dos freios, dos faróis e da suspensão; o estado dos pneus; a parte elétrica; as luzes de freios; piscas; lanterna; faróis; painel; e o nível do tanque de combustível, além dos documentos do carro e da habilitação.

Próspero Ano Novo!

A você, desejo um próspero 2019. Agradeço pela audiência de sempre, pelos leitores que transformaram-se em amigos e, sobretudo, a Deus, aquele que tudo pode em nossas vidas. Até 2019!

Estudante e estagiário no Ministério Público do Estado do Pará (MPPA). E-mail: vinnicius@carajas.info.